Testemunha envolve vereador e miliciano na morte de Marielle

O ex-PM Orlando Oliveira de Araújo e o vereador Marcello Siciliano (PHS) foram apontados por uma testemunha como suspeitos da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL). O jornal O Globo teve acesso ao depoimento da testemunha, que trabalhou para uma milícia no Rio de Janeiro. O homem, que trabalhou para o grupo como segurança por dois anos, contou tudo que sabia em troca de proteção. Procurado pelo jornal, Siciliano nega envolvimento.

Segundo a publicação, a testemunha contou à polícia que Orlando – atualmente preso por chefiar milícia – e o vereador queriam a morte de Marielle. As ações da vereadora estariam atrapalhando o trabalho da milícia no Rio. Marielle e o motorista Anderson Gomes foram mortos no dia 14 de março.

Ainda de acordo com o jornal, o homem revelou detalhes sobre os planos para a execução da vereadora do PSOL que começaram em junho de 2017. Ele forneceu aos investigadores dados como como datas, horários e locais das reuniões para tratar do assunto. Ao Globo, o vereador apontado pela testemunha disse que não conhece Orlando. “Notícia totalmente mentirosa”, afirmou.

Depoimentos
Inicialmente, a testemunha procurou a Superintendência da Polícia Federal. Ao perceber a gravidade das informações, os delegados encaminharam a testemunha para o chefe de Polícia Civil, delegado Rivaldo Barbosa.

Segundo o Globo, no relato a testemunha conta que presenciou quatro conversas entre o ex-PM e o vereador. Ele também revela os nomes dos quatro homens escolhidos para executar Marielle. Eles já estão sendo investigados pela polícia.

“Eu estava numa mesa, a uma distância de pouco mais de um metro dos dois. Eles estavam sentados numa mesa ao lado. O vereador falou alto: ‘Tem que ver a situação da Marielle. A mulher está me atrapalhando’. Depois, bateu forte com a mão na mesa e gritou: ‘Marielle, piranha do Freixo’. Depois, olhando para o ex-PM, disse: ‘Precisamos resolver isso logo'”, relatou a testemunha sobre o que ouviu em um dos encontros.

O plano teria começado após um desentendimento entre Marielle e Siciliano. A parlamentar estava expandindo ações comunitárias na Zona Oeste, que também e dominada pelo tráfico. Bombeiros, empresários e outros policiais são citados nos depoimentos da testemunha. Pelo menos 15 nomes foram apontados como integrantes do grupo comandado pelo ex-policial e vereador. O político seria o responsável por financiar as ações da milícia e o ex-PM seria “uma espécie de capataz”. A milícia também pode estar envolvida com grilagem de terras na região do Recreio dos Bandeirantes.

Segundo a testemunha, ela passou a trabalhar como segurança para os supostos mandantes do crime após ameaças. Antes, trabalhava instalando TV a cabo em uma das comunidades invadidas pelo grupo. O faturamento mensal da quadrilha seria de cerca de R$ 215 mil.

O ex-PM teria dado a ordem para a execução um mês antes do crime da cela de Bangu 9. Homens de confiança clonaram o carro usado no crime e passaram a monitorar a agenda da vereadora. A testemunha também relatou que após a morte de Marielle houve três execuções para ‘queima de arquivo’. Até agora, nove vereadores foram ouvidos no inquérito da morte da vereadora do PSOL. (As informações do Correio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *