Na estreia tricolor, Guto Ferreira reencontra o Internacional

Ninguém duvida de que Guto Ferreira é o grande personagem da estreia do Bahia na Série A, neste domingo (15), às 16h. Depois de um começo de ano na berlinda, o treinador conseguiu diminuir as críticas com o título do Baianão. Mas agora terá que mostrar serviço no desafio maior do ano, o mesmo que ele abandonou na última temporada.

Guto abriu mão de comandar o Bahia na Série A justamente para treinar o Internacional, adversário da estreia, no Beira-Rio. Lá, apesar do acesso alcançado no final da Série B, o técnico também teve de conviver com críticas.

Por isso, a motivação do comandante tricolor será dobrada. Guto precisa mostrar à torcida tricolor que, desta vez, voltou para ficar. Para os colorados, a mensagem é de que a demissão no final do ano passado foi injusta.

O técnico deixou o Bahia em 30 de maio do ano passado, em plena terceira rodada da Série A. O ‘adeus’ veio menos de uma semana depois do título da Copa do Nordeste.

Ele assumiu o Inter na quarta rodada da Série B, em 10º lugar. Foi mandado embora a três jogos do final do campeonato, com o colorado na vice-liderança. O time precisava apenas de um empate para garantir o acesso.

A demissão teve um motivo ‘maior’: o contrato do treinador previa renovação automática de um ano em caso de acesso. Sem querer contar com Guto para 2018, a diretoria do Inter decidiu demiti-lo antes da cláusula ser ativada.

A história

A história do treinador no Inter não se resume a isso. Foi lá que ele começou a carreira no profissional. Guto chegou ao clube em 1996, para comandar o sub-20. Conseguiu três títulos: o bicampeonato estadual em 1996 e 1997 e a Copa São Paulo de 1998. Acabou promovido para auxiliar do time principal.

Em maio de 2002, o Inter demitiu o técnico Ivo Wortmann na semifinal do Gauchão. Guto assumiu interinamente e levantou o título sobre o 15 de Novembro.

Em seguida, foi efetivado como técnico, mas começou mal na Série A. Durou apenas cinco jogos, com duas derrotas, dois empates e uma vitória. Acabou retornando para o posto de auxiliar-técnico.

Em 2008, Guto voltou a assumir o colorado, dessa vez interinamente, após a saída de Abel Braga. Durou apenas um jogo, derrota por 3×1 para a Portuguesa no Canindé, e foi substituído por Tite.

Guto não tem nenhum desfalque para o duelo. O time deve ser o mesmo que venceu o Vitória no último domingo, pela final do Baianão. (As informações do Correio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *